AS COISAS BOAS DA VIDA

No Turismo do Vinho o desenvolvimento nunca vem sozinho: seja na Itália, na África do Sul, na Califórnia ou no Vale dos Vinhedos, o turismo é uma atividade que não acontece isolada. Não basta ter um bom vinho, uma bela paisagem, histórias para contar: é necessária que seja feita a "costura" destes elementos, aliar uma estrutura mínima e gerar nas pessoas a vontade, o desejo de vir passear, conhecer e gastar o seu precioso tempo/dinheiro com o roteiro proposto. Ter um bom vinho e uma paisagem envolve paixão, tempo e cuidado. Desde os anos 1990, a Serra do Sudeste está no mapa dos apreciadores da bebida. Alguns dos melhores vinhos do Brasil nascem com as uvas desta terra, tanto espumantes como tintos. A Lídio Carraro colocou o sabor das terras de Encruzilhada nos maiores eventos mundiais, como Copa, Olimpíadas; a Chandon deslumbrou-se com a qualidade do solo, assim como a Casa Valduga, a Czarnobay, Angheben, entre outras já elaboram suas delícias. A família Brocardo apresenta suas novas linhas. O movimento está acontecendo! Muito além das garrafas, gastronomia, hotelaria e boas estradas são fundamentais. As pessoas querem vir em carro próprio, precisam de bons acessos. É necessário ter onde se alimentar com qualidade, trazendo a gastronomia das estâncias, da terra, da história ou, até mesmo, inovações.

Publicidade

O que importa é ter sabores atrativos, suprir com carinho esta necessidade humana. O mesmo vale para a hospedagem, para a farmácia, a sorveteria, posto de gasolina, as lojas, a pequena padaria, fazendas, trilhas: todos podem se beneficiar do turismo do vinho, desde que, se disponham a entender a dinâmica. Não se trata apenas de investimento, se trata de uma real vontade de mudança. Turismo demanda horários, paciência, fazer criar a fama. Turismo não é só para quem viaja a lazer, é também para os que vem a trabalho - executivos, viajantes, prestadores de serviço. A inteligência está em adequar os equipamentos disponíveis às expectativas. Vejo em Encruzilhada do Sul, esta cidade histórica, calma, um diamante bruto. O vinho é um mote de auto estima, orgulho da terra, da procedência. Contar a história dos heróis do passado aliada a quem vislumbra belas perspectivas de futuro. Para isto, união, foco, estudo das potencialidades e alinhamento das ideias são fatores fundamentais para esta transformação, que pode ser um grande diferencial no mapa do vinho brasileiro. Por Maria Amélia Duarte Flores. Proprietária da Vinho e Arte POA/RS, Enóloga, Escritora, Viagens Enogatronômicas, Cursos e Palestras sobre Vinhos.


16 visualizações0 comentário