CORSAN REFORÇA SISTEMAS E PEDE USO RESPONSÁVEL DA ÁGUA PARA ENFRENTAR ESTIAGEM SEVERA

Devido à estiagem severa e prolongada que atinge o Rio Grande do Sul, os pontos de captação da Corsan estão extremamente baixos em diversos municípios gaúchos. A companhia vem trabalhando 24 horas por dia e tomando todas as ações necessárias para garantir o abastecimento e evitar racionamento, como reforçar os sistemas e complementar o abastecimento por meio de caminhões-pipas.

Nesse contexto crítico, é vital a cooperação de toda a população, praticando o uso responsável da água. Com esse propósito, está circulando uma campanha de conscientização da Corsan, intitulada Verão 360°. Ela se alinha ao movimento Água 360° e sugere cuidados com a água e o meio ambiente.

Dicas para evitar desperdícios:

  • Não lavar o carro nem a calçada.

  • Não tomar banhos demorados.

  • Não deixar a torneira aberta se não estiver em uso.

  • De forma geral, não desperdice água, usando somente o necessário.


Principais ações por superintendências

Litoral

Em Tramandaí, o manancial de captação de água está com nível muito baixo e acabou influenciando em alterações nas características da água. Essa questão interfere diretamente no tratamento da água captada pela Corsan, visto que já são necessários incrementos na aplicação de produtos químicos, um maior tempo no tratamento e uma redução da capacidade de produção, resultando em desabastecimento em determinados pontos da cidade e diminuindo a pressão da água disponibilizada.

A equipe técnica da companhia monitora essa variação do manancial e, a partir disso, realiza todos os ajustes necessários. Também foi acionado o serviço de caminhão-pipa para situações emergenciais. Como medida de contingência, está sendo montada uma captação em balsa com auxílio de equipes de mergulhadores, o que permite instalar bombas mais para dentro da lagoa e com isso captar água numa maior profundidade.

Houve ajuste de produtos químicos (tipos e quantidades) a partir de cada local, para conter as alterações da qualidade do manancial. A ação ocorre em todas as Estações de Tratamento de Água (ETAs) da regional, pois tiveram alterações nas condições da água recebida.

Metropolitana

A captação no rio Gravataí para atividade agrícola está suspensa desde terça-feira (28/12). A medida visa garantir o abastecimento público de água de Cachoeirinha, Gravataí, Alvorada e Viamão. O acordo entre a Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura, a Corsan e o Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí (Comitê Gravatahy) mantêm a suspensão da captação agrícola enquanto a situação do manancial não se regularizar.

Ações realizadas na região:

  • Instalação de uma balsa na captação para acessar água em níveis mais baixos do curso d’água.

  • Novo equipamento de bombeamento em testes conclusivos e com condições de atuação ainda nesta semana para ampliar em torno de 150 l/s o bombeamento de água bruta do arroio das Garças para o sistema integrado de Alvorada e Viamão.

  • Instalação de equipamentos de bombeamento de água bruta do arroio das Garças – junto à estação de recalque de Cachoeirinha, à estação de recalque das Garças, à Estação de Tratamento de Água (ETA) Niterói e à ETA Rio Branco – para o sistema integrado de Cachoeirinha e Gravataí.


Publicidade

Estão em andamento:

  • Em Gravataí, há uma balsa instalada e está sendo montada uma segunda. Esse quantitativo de equipamentos é suficiente para manter a produção da ETA Gravataí.

  • Limpeza de vegetação acumulada nos equipamentos de captação de água do sistema integrado de Cachoeirinha Gravataí, no rio Gravataí, com especial atenção às condições de sucção dos equipamentos submersíveis.

  • Execução de adutora de água tratada em Cachoeirinha, que vai da ETA Cachoeirinha até o centro de reservação Vista Alegre. Proporcionará uma recuperação mais rápida do sistema.


Investimentos previstos:

  • Adutora em Gravataí, que vai da ETA Parque dos Anjos até o centro de reservação Cipreste.

  • Novas obras para o sistema de abastecimento de água de Viamão, que permitirá a sobra de aproximadamente 750 l/s do sistema de Alvorada e Viamão para Gravataí.

  • Adutora Alvorada-Gravataí, que possibilitará o incremento de vazões no abastecimento de Gravataí, decorrente da sobra obtida com as novas obras do sistema de Viamão.

  • Reservatório de 3 mil m³ em Gravataí, na Morada do Vale.

  • Adutora entre os dois centros de reservação: Cipreste e Vista Alegre, em Gravataí.


Missões

São diversas as frentes no enfrentamento da estiagem, tais como:

  • Itensificação do trabalho de pesquisa e conserto de vazamentos.

  • Monitoramento contínuo de poços e mananciais.

  • Interligação e ampliação de rede para aumentar vazão.

  • Montagem de novos poços para operação.

  • Auxílio no abastecimento com caminhões-pipa nos municípios de Tenente Portela, Derrubadas e eventualmente em Vista Gaúcha e distrito de Irapuá.

  • Desassoreamento da barragem Lajeado da Cruz, em Cruz Alta.

  • Ampliação do horário de funcionamento das ETAs.


Planalto

Na regional, foram colocados em operação 15 novos poços que estavam de reserva nos principais sistemas. Houve também aumento na produção dos poços com substituição de bombas, bem como a instalação de novos reservatórios.

Passo Fundo:

  • Nova adutora de água bruta com diâmetro de 300 mm e extensão de 1,3 mil m da Barragem do Rio Passo Fundo até a ETA III.

  • Nova adutora de água bruta com diâmetro de 500 mm e extensão de 4.020 m do rio Jacuí até a Barragem da Fazenda da Brigada e ETA III.

  • Alteamento da Barragem da Fazenda da Brigada, ampliando em 5,5% o volume de acumulação.

  • Aumento da vazão da transposição do rio Jacuí.


Em Lagoa Vermelha:

  • Desassoreamento da barragem de acumulação.

  • Reforço e alteamento do barramento com 100% de aumento no volume de acumulação.

  • Colocados em operação trechos da adutora de água bruta.


Fronteira

Preparação de recalque auxiliar para as cidades de Itaqui e São Borja, as quais são abastecidas pelo Rio Uruguai, atingido pelos efeitos da estiagem desde 2019. O recalque auxiliar consiste em captar água da parte mais profunda do rio e jogar dentro da caixa de sucção, para que as bombas recalquem até a ETA.


Publicidade

Sul

Nas cidades que mais enfrentam problemas de estiagem – Canguçu, Morro Redondo e Capão do Leão –, as principais ações são os desassoreamentos das barragens. Nesse sentido, já foram executadas as batimetrias e em breve começarão os serviços de desassoreamento.

Nordeste

Foram colocados diversos poços novos em operação em Flores da Cunha e Garibaldi. As ações também incluem o desassoreamento de barragens – em execução em Garibaldi e Fontoura Xavier e programado para a próxima semana em Nova Petrópolis.

Central

Cachoeira do Sul: em função do baixo nível do rio Jacuí, que não permite a vazão necessária para captação, foram instaladas bombas submersíveis de pré-recalque.

Rio Pardo: a captação existente já não consegue mais aduzir água por gravidade. Assim como em Cachoeira do Sul, a Corsan instalou bombas de pré-recalque para captar água, a fim de trazer água para o ponto de captação existente.

Candelária: uma vez que o rio Pardo também se encontra com níveis extremamente críticos, a Corsan recebeu autorização da Fepam e do Departamento de Recursos Hídricos do Estado para construção de um barramento provisório no rio Pardo, visando fazer o represamento de volume de água junto à captação.

Restinga Seca e Formigueiro: nos dois municípios, a Corsan tem barragens de acumulação, onde foram instaladas bombas de pré-recalque. No caso de Formigueiro, a captação se dá em uma barragem de terceiros, a companhia capta água por estações de bombeamento e manda para a barragem, a fim de manter o nível dela, que teve redução nas últimas duas semanas de mais de 80 cm. Em Restinga Seca, há um pré-recalque montado junto ao rio Mirim, que está fazendo a recarga quando há volume de água no rio para a barragem.

Sinos

Campo Bom: captação nova, que foi projetada para situações em que rio esteja com nível baixo.

Taquara, Três Coroas, Rolante, Parobé e Dois Irmãos: melhorias nos barramentos existentes, gerando maior eficiência na captação de água, e novo poço em Dois Irmãos.

Morro Reuter: execução de duas novas subestações, entrada de energia nova, quadro de comando e troca de reservatório.

Nova Santa Rita, Arroio dos Ratos, Charqueadas, General Câmara, Triunfo, Butiá e Barra do Ribeiro: melhorias nas estações de captação, por meio de ações como instalação de bombas, inversores de frequência e telemetria.

Minas do Leão: dragagem no entorno da sucção da bomba, recuperação da ETA, implantação de telemetria em diversos pontos, elétrica predial nova na ETA e instalação de softstarter no booster São Miguel.

Sentinela do Sul: limpeza do córrego, melhoria na captação de água e recuperação da barragem.

Tapes: instalação de macromedidores de vazão nos poços.

Instalação de Centros de Controle Operacional nas unidades de Arroio dos Ratos, Barra do Ribeiro, Triunfo, Nova Santa Rita e Butiá.

Plano de Segurança Hídrica

A Corsan também está investindo em planejamento e gestão dos recursos hídricos, ação de extrema importância para a melhor operação dos sistemas. Tendo em vista a necessidade de adaptação às mudanças climáticas e os objetivos do desenvolvimento sustentável, está em fase de contratação o Plano de Segurança Hídrica da Corsan (PSH-Corsan), em observação às metas do Novo Marco do Saneamento, com horizonte de planejamento em 2033.

O PSH-Corsan visa garantir o abastecimento de água em quantidade e qualidade adequadas aos municípios concedentes, com análise e proposição de ações para a melhoria da segurança hídrica da companhia em relação às dimensões de quantidade e qualidade hídrica e em relação à resiliência a eventos hidrológicos extremos.

Texto: Ascom Corsan Edição: Secom/Estado Rio Grande do Sul

203 visualizações0 comentário