DIA DO GOLEIRO É CELEBRADO NESTA SEGUNDA-FEIRA

O mais solitário dos jogadores de futebol dentro de campo, o goleiro, tem um dia dedicado à posição: 26 de abril. A data é uma homenagem ao nascimento de Hailton Corrêa de Arruda, o lendário Manga. O ex-jogador completa hoje 84 anos e vive no Retiro dos Artistas, no Rio de Janeiro, onde brilhou por anos no Botafogo (1959/1968) vindo do Sport de Recife. “Foi o maior goleiro da história do clube”, aponta o comentarista da Rádio Nacional, Waldir Luiz, que o viu atuar pessoalmente. “Em estádios menores, eu gostava de ficar atrás do gol para ver as defesas dele”, recorda, destacando que o pernambucano também teve passagem marcante pelo Internacional-RS (1974/1976).


Pela Seleção Brasileira, o goleiro que jogava sem luvas fez parte do elenco frustrado da Copa de 1966 na Inglaterra. “Ele não foi tão feliz atuando pelo Brasil. Teve um amistoso (1965) contra a antiga União Soviética, num Maracanã com 117 mil pessoas, que a gente ganhava por 2 a 0, com gols de Gerson e Pelé. Aí, ele foi cobrar um tiro de meta, a bola bateu na cabeça do russo e entrou. Depois, ainda sofreria o empate”, lembra Waldir.


Além de espetacular embaixo das traves, Manga também se notabilizou pelos casos folclóricos. “Para muitos o maior goleiro da história do futebol brasileiro. Tinha reflexos fantásticos, saía bem, mas gostava de provocar os adversários, em especial, o Flamengo, quando dizia antes das partidas contra o rival que o leite das crianças já estava garantido”, conta o jornalista da TV Brasil, Márcio Guedes, recordando um episódio em 1967, após a final do Campeonato Carioca ganho pelo Glorioso sobre o Bangu de Castor de Andrade por 2 a 1. “Ele jogou muito mal, largou bolas. No dia seguinte, com um revólver, João Saldanha o acusou de ter se vendido e ele saiu correndo. Nunca se confirmou se foi exagero do João ou se realmente aconteceu algo nebuloso, nada foi comprovado, ficou mais como lenda”.


Ex-número 1 do Vasco entre 1982 e 1991, Acácio aponta Manga como maior influência. “Final dos anos 70, ainda no início da carreira, fui jogar no Comercial (MS) e Manga defendia o Operário (MS). Lembro de assistir ao vivo uma partida dele pelo Brasileiro da época contra o São Paulo, do Waldir Perez (goleiro da Seleção Brasileira de 1982). Os paulistas ganharam, mas o destaque foi Manga e aquela atuação marcou minha vida e sequência como profissional”.


Publicidade

Campeão brasileiro em 1989 pelo Cruz-Maltino, Acácio acredita que um bom goleiro precisa de confiança e personalidade. “Antes da final no Morumbi, chamei o De Miranda (Eurico) e perguntei se já tinha reservado o salão para a festa. Ele riu e eu disse que ia fechar o gol e a gente traria o título. Vencemos por 1 a 0. Não se trata de soberba, mas de acreditar no próprio potencial”.


No Clube das Luvas, escola de formação de goleiros em Brasília, o ex-arqueiro do Fluminense entre 1981 e 1987, Paulo Victor orienta iniciantes, veteranos e os que pretendem se profissionalizar a sempre sonhar. “É que digo a eles, precisam acreditar no sonho. Se eu cheguei lá, eles também podem”, frisa o paraense que foi tricampeão carioca e brasileiro (1984) pelo Tricolor Carioca.


Para o ex-goleiro Ricardo Cruz, quem deseja atuar na posição também precisa usar os pés. “Controle e passes, de curta, média e longa distância, precisam ser bem treinados. A regra não permite mais apanhar a bola com as mãos em caso de recuo”, avalia o veterano, com passagens por Flu, Bota e Ponte Preta, que orienta ainda um cálculo de probabilidades. “Nunca tente adivinhar nada e dar a definição de uma jogada para o atacante”.


O atual goleiro do Botafogo, Douglas Borges diz que precisou vencer uma certa resistência familiar. “No começo, meu pai não queria, mas não teve jeito”, explica o jogador de 31 anos, que quando pequeno admirava Zetti, Veloso e mais tarde Jeferson e Marcos. “Também me inspiro no Fábio com quem trabalhei no Cruzeiro. A gente precisa ter fé, batalhar pelo objetivo e sempre procurar melhorar”.


Quem não teve problemas em casa para seguir na profissão foi Muriel, irmão do melhor goleiro do mundo, Alisson Becker (Liverpool). “Nosso bisavô foi goleiro e o pai também. Lembro dele malucão, jogando-se de cara para defender a bola e às vezes até se machucando”, rememora o defensor do Fluminense, avisando que o filho também deve seguir carreira. “Ele já é guri de Xerém e está treinando. Sou muito grato a Deus por trabalhar nessa posição diferente, que tem a responsabilidade de atrapalhar o ponto máximo do futebol, que é o gol”.


Edição: Carol Jardim/Agência Brasil

4 visualizações0 comentário