VIDA EM EQUILÍBRIO - Cefaleia

Por Grisele Guterres Aguiar



A cefaleia é uma condição bem frequente na população em geral, sendo difícil encontrar alguém que jamais tenha experimentado uma dor de cabeça ao longo da sua vida. Esta doença pode acometer pessoas de todas as idades, sendo um dos sintomas mais comuns que o ser humano sofre, representando cerca de 10% de todas as consultas nas Unidades Básicas de Saúde. Mais de 95% das pessoas em algum momento da vida tiveram, tem ou terão dor de cabeça, segundo dados contidos no site da Sociedade Brasileira de Cefaleia.

As cefaleias podem ser divididas em primária ou secundária, segundo a etiologia. As primárias não são relacionadas com nenhuma outra doença. As enxaquecas e cefaleias do tipo tensional fazem parte deste grupo. Já as secundárias são provocadas por patologias, sendo que nestes casos a dor seria consequência de uma doença clínica ou neurológica, por exemplo, cefaleias relacionadas à hemorragia cerebral, tumores cerebrais, meningites, disfunções endócrinas, etc.


A distinção entre cefaleia primária e secundária é importante, sendo que as secundárias podem ter complicações graves e até fatais, dependendo da etiologia associada.

A enxaqueca ou migrânea, como também é conhecida, é uma das formas mais comuns de cefaleia, caracterizada por crises recorrentes e complexas. A maioria das pessoas que sofrem desta patologia tem algum prejuízo na vida profissional e/ou pessoal, dependendo da intensidade da dor. Os sintomas mais comuns são dor latejante e pulsátil unilateral de intensidade moderada ou forte, náuseas, vômitos, irritabilidade, sensibilidade à luz e barulho.


A migrânea possui uma relação muito grande com o estilo de vida e fatores como sedentarismo, tabagismo, obesidade, alimentação inadequada, alterações no sono, desidratação, alterações orofaciais (disfunção temporomandibular) podem desencadear o processo de dor.


O indivíduo que sofre com enxaqueca tem um fator ou mais que desencadeiam uma crise. Fique alerta para o que promove a sua dor, o autoconhecimento é fundamental para a prevenção. Uma dica é ter um diário para anotar toda a sua rotina, pois assim será mais fácil perceber os padrões adotados que provocam a enxaqueca. Observe o que você estava fazendo antes e quando sua dor começou. O que você comeu? Dormiu bem na noite anterior? Alguma coisa estressante durante o dia? Bebeu água?


O tratamento com acupuntura sistêmica ou auricular (auriculoterapia) pode ser uma excelente opção terapêutica de forma simultânea, preventiva ou no tratamento propriamente para casos de cefaleia, principalmente as que não estejam ligadas a uma doença de base. Parte da eficácia destes métodos está no seu efeito analgésico e anti-inflamatório, sendo possível também agir na ansiedade, irritabilidade e outras questões que possam influenciar em uma dor de cabeça. Outra grande vantagem destas terapias é que há pouco ou nenhum efeito colateral.


É importante ter cuidado com o uso indiscriminado de analgésicos comuns, sendo essencial uma avaliação médica para o diagnóstico correto e indicação do melhor tratamento para a sua cefaleia.


Grisele Guterres Aguiar. Graduada em biomedicina pela Universidade Luterana do Brasil- Campus Cachoeira do Sul e formada em Pós-Gradução Lato Sensu em acupuntura pela ABA- Porto Alegre/ RS.





29 visualizações

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© 2020 por Jornal do Sudeste.